quinta-feira, 17 de julho de 2008

"Como peguei AIDS? Eu te explico..."

Post escrito pelo personagem "Eduardo"
Não nego. Vacilei e por consequência direta, paguei da pior forma possível. Sempre fui "porralouca", desmedido e sexo pra mim era diversão. Hoje não é mais. Tenho o vírus HIV, AIDS, sou soropositivo ou qualquer outra demoninação que isso tenha. A diversão acabou, porque o prazer da brincadeira era transar das formas mais loucas e excitantes e estas, quase sempre não incluiam o uso da camisinha.
Não sei quem passou, como peguei, ou o porque da contaminação, mas as vezes eu fico imaginando onde, como, quando e com quem... Enumero as situações de risco pelas quais passei e o ponto de interrogação é a maior frustração. Pode ter sido numa sauna, mas eu não transei com ninguém por lá sem camisinha, tinha nojo do lugar, mas se bem me lembro coloquei a boca no pau de muita gente e pelo que me consta, mesmo sendo as chances remotas, é possível. Sexo oral transmite? Uns dizem que sim, outros dizem que não, alguns falam talvez... então, já que é um saco chupar com um plástico por cima, é melhor escolher alguém de confiança. Confiança? Foi pela confiança que cai no papo daquele carinha... Estava tudo ótimo, amassos, beijos, até que na hora "h" faltou preservativo. Ele me perguntou com uma carinha tão bonitinha: "Eu confio em você, você confia em mim?"... Eu fiz "Hã?" e ele retrucou: "Eu me garanto e você? Fiz exame e tá tudo direitinho". Eu não tinha certeza, mas estava pegando fogo e ele até apelou: "Relaxe, eu não vou gozar dentro". "Ahhhhhh, então tá..." - Dei mole, eu sei. E eu fico me perguntando... Como isso é chocante para mim! Chocante no sentido de "chocado" mesmo! Sempre li, vi filmes, conversei com amigos sobre o assunto e eu sabia da importância do uso e dos riscos do não-uso. Quando acontecia e a consciência pesava eu pensava:"Da proxíma vez eu não repito". Promessas... E o medo do exame? Descobri que pode se fazer gratuitamente, mas tinha medo do resultado. Sei lá, de repente dá positivo e como eu fico? Melhor não saber.
E eis que o destino me revelou do mesmo jeito. Foi foda quando soube. Chorei, minha mãe chorou (alguém tinha que saber e nessas horas, a mãe sempre vem em primeiro lugar para ajudar a segurar a barra). A primeira coisa que vem na mente é: "Vou morrer". A segunda é: "Que porra, porque não usei o caralho da camisinha". Por último vem a vergonha. Pode-se inverter a ordem que o resultado não se altera. Mas eu fiquei imaginando o quanto era ruim já ser discriminado por ser gay, imagine agora um "gay aidético". E logo eu que nunca achei que fosse acontecer comigo. Foda fazer parte destas estatísticas. E mais foda ainda é vê as pessoas fazendo pouco caso de uma coisa tão séria.
Passeando pelo orkut, quando cliquei em comunidades e pesquisei o tema AIDS, qual meu espanto que a a maior comunidade sobre o assunto é uma FRAUDE. "EVITE AIDS, TRANSE COMIGO". Para evitar, basta usar camisinha e você pode transar até com o mendigo da esquina se tiver coragem. Tirando duas ou três comunidades "construtivas", tem até o presente momento que escrevo este post, 3.488 pessoas fazendo parte do grupo: "AVRIL LAVINE É QUE NEM AIDS". Porque? Não sei. Não escuto. Para competir, "RDB É QUE NEM AIDS, NÃO TEM CURA", com 2.570 membros e mais uma infinidades de coisas que é igual a AIDS... Banalizaram tanto a palavra. Talvez as pessoas contaminadas não queiram aparecer num meio tão exposto como o ORKUT. Nas comunidades ditas "sérias", existem muitos post anônimo e os membros preferem citar "um amigo com a doença". Eu confesso, não me revelaria de tal maneira. Acho o Brasil um país muito preconceituoso ainda. Mas um preconceito violento e maléfico. As pessoas não se contentam em olhar de lado, precisam ferir as outras para expor o quanto as repudiam. Mas pauso por aqui. Até o proximo post e se cuide.

Um comentário:

Diogo Starlley disse...

IRMÃO TEMOS QUE LUTAR COMBATENDO O PRECONCEITO. EU TAMBÉM FICO MUITO CHATEADO VENDO AS PESSOAS BRINCAREM COM UMA DOENÇA TÃO SÉRIA. NÃO TENHO AIDS. MAS DEFENDO O DIREITO DA VIDA LUTANDO CONTRA O PRECONCEITO. ABRAÇOS. DEUS ESTÁ CONTIGO.